top of page
Search
  • Eduardo Carlos Pereira

Uma matriz de arte vida e alegria de milhões de pessoas e de dólares

Acadêmicos do Tatuapé , 2018. (Foto: Nelson ALMEIDA)

O carnaval de tudo o que não é oficial na arte traz para fora a explosão da expressão. Fora da academia das artes modernas bem comportadas a função é só na avenida com outros Acadêmicos os do Tucuruvi e todos os mestres em carnaval, por que os paradigmas da arte foram quebrados sim e o lance agora é a farra. Isso porque os doutores como Neguinho da Beija Flor, Paulo da Portela, Joãozinho Trinta e tantos outros carnavalescos já a muito tempo instalaram esse conjunto de arte, samba, alegoria e carros alegóricos. A universidade do samba.

Samba de Di Cavalcanti (Imagem da internet)

O fato é que a academia não olhou quanto valor cultural tinha esse evento que é de interesse mundial, se evolui como nas avenidas, a arte também acompanhou, timidamente como na celebre obra “Samba” (1925) de Di Cavalcanti. Uma de suas obras mais importantes que com 1,54 metros por 1,77 metros traduziu a cultura brasileira para o jeito moderno, acabou queimado na cobertura de Jean Boghici seu proprietário em uma desastrada e mal conservada coleção incendiada Copacabana.




Aquele sóbrio “Samba” de 100 anos atras fica tímido diante das apropriações que Beatriz Milhazes fez do carnaval, como a obra “O Moderno” (2002) que a tornaria a artista mais cara do país. Beatriz Milhazes que se apropriou do carnaval, vendeu sua obra por 16 milhões de reais na SP-Arte de 2016, o que consequentemente lhe deu o apelido de Beatriz “Milhões”

O moderno de Beatriz Milhazes

Mas meu olhar é para a obra dos Campana, designers brasileiros que tem sucesso no mercado de arte , que romperam com o Design do século XX com inovações de todos os tipos e cores, com materiais e com referências brasileiras as mais surpreendentes. A produção com objetos de design com os materiais, efeitos, artifícios, gambiarras do carnaval são evidenciados.

Isso é facilmente comprovado no Vitra Design Museum, um dos mais importantes e reconhecidos museus de Design do Mundo, que tem em seu acervo obras, objetos e mobiliários de design do sec. XX são referência mundial. É lá, naquele universo de racionalismo e Industrial Design, componíveis plásticos design, dos designs modulares, dos clássicos designs italianos, finlandeses e suecos e da produção “menos é mais” do design correto, limpo, severo, econômico da Bauhaus e de todos os sucedâneos arquitetos e designers europeus e americanos incluindo os pós-modern arquitetos dos anos 1990.


É ali que os nossos respeitados designers, decompõem esse panorama do bom design com suas inusitadas invenções como a Cadeira Favela, como o Sofá Bolotas ou com as coleções Cangaço e Sushi. Quebra todos os paradigmas do design como entendíamos estão no site www.vitra.com


Cadeira Sishi - Irmãos Campana (Imagem: google)

Carnaval não é uma fonte de criatividade, é uma inundação de inovação, transgressão Modern Design e mais que tudo liberdade dos cânones acadêmicos estabelecidos.

Viva o Carnaval! E que ele viva para todo mundo que trabalha com tudo o que for possível, que reusem reutilizem, refaçam, inventem e estraçalhem porque como disseram os Campana “as maravilhas do mundo estão diante de nossos narizes”.

E mais, o carnaval não morre, só explode, aumenta, contamina e é para todo mundo curtir grátis. E uma cadeira dos Campana pode ser comprada por 25 mil reais, uma outra de plástico que eles se apropriam em qualquer mercado custa 60 reais.

Como diz o bordão “quem gosta de pobreza é intelectual, o povo gosta de luxo”, a Cartier edita uma obra chamada “Casulo” sem divulgar preço e nem onde comprar dos Campana certamente a origem é do Brasil. Mas a partir de sexta-feira a arte esta pra todo mundo e é o maior evento de arte que se conhece. Está aberta!!! A obra será uma surpresa.

Artigo publicado originalmente na secção de Opinião do Jornal de Jundiai no dia 10 de fevereiro de 2023

54 views0 comments

Comments


bottom of page